15
abr
Bater Perna, Europa

Praga de novo!

Cumprindo uma promessa que fiz a mim mesmo quando visitei Praga pela primeira vez, voltei àquela cidade. O grande desafio de voltar a um lugar é dividir o tempo entre querer repetir todas as boas experiências (e, no caso de Praga, foram muitas) e buscar novas. 

 001 - Castelo de Praga

002 - Ponte Carlos

003 - Ponte Chehuv Uma das coisas que eu gostaria de fazer era assistir a um concerto de música clássica. Fui a dois. Ainda no Brasil, comprei ingressos para esses e outros espetáculos na página do Via Musica. Eu não quis arriscar ficar no fundão, por isso comprei pela internet, mas em todos os espetáculos que fui, havia lugares disponíveis, inclusive na área VIP, ou seja, se você preferir, pode comprar na loja deles que fica na frente da Catedral de Tyn, na Praça da Cidade Velha. No primeiro dia, assisti a um concerto de obras de Antonín Dvořák e óperas de Puccini no Obecní dům, o teatro municipal de Praga e templo do art nouveau. Em uma palavra: perfeito. No início, três atos de ópera de Puccini com a soprano Jee Hyun Kim. Eu nunca tinha pensado em assistir a uma ópera, mas a interpretação da soprano coreana foi tão forte e tão emocionante que mesmo sem entender nada do que ela falava, eu me senti como parte daquilo tudo e mal posso esperar pela próxima vez. Algo indescritível! A acústica do Salão Smetana é ótima, o som nos cercava por todos os lados e dava para sentir toda a paixão daquela performance, como se a soprano estivesse cantando só para mim. De arrepiar. A orquestra de 60 músicos era conduzida por uma maestrina que não devia ter 30 anos, mas que fazia tudo como se tivesse uma vida inteira de prática. Para completar a noite, quando saímos do teatro, nevava. Nevava pouco, aquela neve que sequer acumula no chão, mas foi o suficiente para me deixar com um sorriso de orelha a orelha. Aliás, durante esta semana em que estivemos em Praga, a primavera nem deu sinal e as temperaturas variaram entre -4 e 2 °C. Não que eu esteja reclamando.

004 - Smetana Hall  005 - Smetana Hall

006 - Smetana Hall

007 - Soprano

008 - Orquestra

009 - Orquestra

Também fomos a uma apresentação de um quinteto de cordas de câmara no Rudolfinum. O Rudolfinum é lar da orquestra filarmônica de Praga e no período entre guerras, serviu como parlamento tchecoslovaco. Com a invasão pelos nazistas, o lugar foi transformado em um teatro para servir a Hitler. Ele chegou a mandar que a estátua do compositor judeu Mendelssohn fosse retirada, mas quando os tchecos perguntaram qual das estátuas era do Mendelssohn, nem os nazistas sabiam, daí, mandaram tirar a estátua daquele que tivesse o nariz mais protuberante e a estátua que acabou sendo derrubada foi justamente a do compositor favorito do Hitler: o antissemita Wagner. Para este espetáculo, compramos o ingresso mais caro e sentamos na primeira fila, mas como a sala é relativamente pequena, é possível desfrutar do espetáculo mesmo pagando o ingresso mais barato.

 010 - Quinteto de Cordas 011 - Violinista

Mas não é só isso. Também fomos a uma apresentação de órgão e oboé na Catedral de São Nicolau. Se não fosse pelo frio dentro da igreja, acho que teríamos aproveitado mais. Uma coisa é estar frio na rua e você caminhando e se movimentando, mas sentado ali no banco da igreja, nada de aquecimento, bem, foi meio sofrível e por vezes eu me pegava pensando “quanto tempo mesmo falta para acabar?” Foi um espetáculo bonito, mas tenho certeza de que teríamos gostado mais se o ambiente estivesse mais aconchegante.

012 - Igreja de São Nicolau (1) 013 - Igreja de São Nicolau

Era véspera de Páscoa e a Praça do Relógio estava tomada por barracas de comida, de artesanato e, claro, de quinquilharias para turistas. Assim como nas semanas que antecedem o Natal há um mercado de Natal, na Páscoa, há um mercado vendendo produtos típicos da época. Era possível comprar ovos pintados à mão, que, segundo a tradição, são confeccionados pelas tchecas e presenteados aos rapazes na segunda-feira de Páscoa. Também havia ramos de salgueiro presos uns aos outros com umas fitas amarradas na ponta (pomlázka). A tradição manda que os homens batam com ele no traseiro das moças que acham bonitas. Afinal de contas, um tapinha não dói.

 014 - Kraslice Também tivemos a oportunidade de experimentar o impronunciável trdelník, uma massa com canela que é colocada para assar em um rolo, e o bramborové spirály, uma batata cortada em espiral e frita na hora. E daí se a mão que prepara a massa é a mesma que pega no dinheiro? O calor mata tudo.

015 - Trdelník016 - Bramborové Spiraly

Os trabalhos de restauração da fachada do Obecní dům tinham terminado e eu finalmente pude admirar o mosaico da entrada. O prédio tem importância tanto do ponto de vista histórico como arquitetônico. A construção foi motivada por um sentimento nacionalista tchecoslovaco. Praga era uma cidade com uma grande população de origem germânica e ao passo que eles contavam com uma casa de cultura alemã, os tchecoslovacos não tinham um lugar onde eles pudessem se expressar culturalmente, um lugar inteiramente dedicado à sua cultura. Foi então que, após um concurso para encontrar o projeto ideal, em 1905, começaram as obras de construção do prédio. Dois projetos distintos foram escolhidos e os arquitetos responsáveis tiveram que trabalhar juntos para traduzir as suas visões em um só prédio. As obras de construção duraram 7 anos. Do ponto de vista arquitetônico, o prédio conta com trabalho dos mais renomados artistas tchecoslovacos, dentre eles, Alfons Mucha. Do ponto de vista histórico, o prédio é importante, pois a primeira república foi proclamada da sacada do Obecní dům e as negociações entre Vacláv Havel e o governo comunista da URSS aconteceram dentro do prédio.

017 - Obecní dum018 - Obecní dum Também aproveitamos para fazer a visita guiada nas dependências do teatro. Há duas visitas diárias e os ingressos devem ser comprados no mesmo dia da visita.

019 - Confectionery

020 - Božena Němcová

021 - Gregr Hall

022 - Mayors Hall

023 - Mucha

O controverso Prédio Dançante foi parada obrigatória desta vez. O prédio é obra dos arquitetos Vlado Milunić e Frank Gehry e foi construído em um terreno vazio onde antes havia um prédio que foi bombardeado durante a Segunda Guerra. Muitos se opuseram à construção do prédio, pois ele destoava da arquitetura dos prédios da região. Eu ainda não consegui formar a minha opinião se gostei ou não do prédio. Fato é que é impossível passar desapercebido.

024 - Prédio Dançante

025 - Prédio Dançante

026 - Prédio Dançante

Um pouco mais à frente, seguindo na Rua Resslova, há a Igreja Ortodoxa de São Cirilo. A igreja é conhecida como monumento às vítimas do terror nazista pós-Heyndrich. Reinhard Heyndrich foi Vice-Governador do Protetorado da Boêmia e Moravia, como os nazistas chamavam a Tchecoslováquia. Ele substituiu Konstantin von Neurath, cujos métodos eram considerados insuficientemente eficazes (leia-se: pouco brutais) no combate à resistência local. Não foi coincidência que o governo tchecoslovaco no exílio determinou que Heyndrich seria o alvo ideal para um atentado e assim, montou um plano no qual uma emboscada foi posta em prática por dois soldados: Jan Kubiš e Jozef Gabčík. Resumindo: em 27 de maio de 1942, os dois soldados conseguiram montar a emboscada quando o carro do Heyndrich precisou diminuir a velocidade em um curva na subida, mas a granada que deveria ter matado Heyndrich caiu perto do carro e na hora, apenas o feriu. Kubiš e Gabčík fugiram achando que a missão havia falhado, mas os ferimentos causaram uma septicemia em Heyndrich, que morreu 10 dias depois do atentando. Com o apoio da igreja ortodoxa, Kubiš, Gabčík e mais 5 paraquedistas se refugiaram na Igreja de São Cirilo. Uma verdadeira perseguição se seguiu após, inclusive, culminando com o assassinato de quase todos os habitantes de uma cidadezinha chamada Lidice, erroneamente vinculada à resistência. Além disso, tribunais marciais foram organizados para condenar todos aqueles que mesmo remotamente, contribuíram de alguma forma com o atentado. Os soldados foram traídos por Karel Čurda, um paraquedista, que contou a identidade dos guerrilheiros em troca do perdão e de uma recompensa. Os nazistas interrogaram parentes dos guerrilheiros e acabaram chegando à localização do esconderijo. Os alemães tentaram primeiro expulsar os soldados inundando a cripta com água. A tática não deu certo e os alemães abriram um buraco no teto da cripta, mas como somente um soldado de cada vez podia entrar, eles eram alvo fácil na mão da resistência. Por fim, os alemães explodiram um outro acesso que estava lacrado e conseguiram entrar. Foi nesse instante que os guerrilheiros cometeram suicídio. As marcas de bala ainda estão lá nas paredes do exterior da igreja como testemunho do que aconteceu.

 027 - Igreja de São Cirilo

028 - Cripta

029 - Cripta

030 - Cripta

031 - Kubis e Gabcik

Achei o Museu do Comunismo interessante, mas meio improvisado. Ele fica escondido dentro de um lindo palácio barroco, perto de um McDonalds! Eu nunca vou entender alguém defendendo aquele regime…

032 - Sala de Interrogatório Ao passear com mais tempo, pudemos observar os detalhes da cidade com mais calma. Dentre esses, as placas na frente de algumas residências, uma triste lembrança dos antigos moradores.

033 - Klara

A grande descoberta foi o restaurante e café Café Imperial, no hotel de mesmo nome. Como se não bastasse a impressionante decoração do lugar remetendo ao Mediterrâneo e ao Egito, a comida e o atendimento são impecáveis e o chocolate quente é o melhor que eu já experimentei na vida. 034 - Cafe Imperial

035 - Hotel Imperial

Quer comprar cristal tcheco? A minha dica é: fuja das lojas de souvenir como o diabo, da cruz. Tudo ali é feito na China. Uma boa opção é a tradicional Moser, mas aviso, é um investimento.

Foram oito dias de viagem, mas já sonho em voltar… Será que isso é obsessão?