15
jul
Ásia, Experimentar

Quanto vale o seu dinheiro no Camboja?

Fui à agência central do correio comprar selos para mandar postais e perguntei quanto era a tarifa. Um dólar — a funcionária respondeu — e me deu um monte de saquinho com os selos para escolher. Notei que os valores em riel eram diferentes em cada pacotinho: 2900, 3000, 3100. Perguntei novamente para a atendente sobre a tarifa e ela repetiu o valor em dólar. Para tentar ser mais claro, falei que em cada pacotinho havia valores diferentes e ela, sem perder a paciência, repetiu: um dólar. Foi aí que me dei conta de que essa diferença em riel, quando convertida para dólar, não significa nada.

01 - 100 riel front

O riel é tão desvalorizado que nem é usado nas transações diárias. Se você sacar dinheiro nos caixas eletrônicos, o valor sai em dólar (sem precisar fazer conversão, você escolhe a quantia em dólar). Pergunte para o motorista de tuk tuk quanto custa para te levar e ele vai dar o preço em dólar. Você só recebe notas de riel caso o troco seja algo como centavos de dólar.

02 - 100 riel back

Mas o Camboja é barato? De maneira geral, sim. Mas produto bom custa caro em qualquer lugar e o Camboja não é a exceção. Por que falo isso? Eu achei que fosse mobiliar a minha casa com esculturas de madeira, estátuas de Buda, artesanato, seda, e não é bem assim que funciona. Em primeiro lugar, os preços nos mercados são sempre inflacionados e é preciso negociar. É assim com todo mundo, até mesmo entre cambojanos. E tenha em mente que quando eles veem um turista, eles pensam: esse gringo tem dinheiro. Não importa se você ganha em real (eu! Eu!) ou em euro. E nessa hora é preciso um pouco de jogo de cintura, de simpatia. Sorria, faça uma gracinha. Vale tudo para conquistar o coração do vendedor. Eu queria muito levar um caminho de mesa, mas a vendedora pedia absurdos US$ 40,00. Isso é muito caro para o caminho de mesa que foi feito na China em produção em massa. Daí eu comecei a fazer como se fosse surdo e sempre que ela falava o preço, eu dizia “o quê?” e colocava a mão no ouvido, até que ela disse “um dólar” e eu respondi “fechado!”. Ela começou a rir e falou “agora você escutou?”. O caminho de mesa acabou saindo por US$ 10,00.  Ela teve o lucro dela, eu paguei o que achei justo e todo mundo saiu feliz.

03 - 500 riel front

E tem os preços das lojas. Lojas mesmo. Os preços são mais altos, mas você vai notar que a qualidade é diferente. Eu entrei na Rong Srey Mom e queria levar um monte de coisa, mas saí sem comprar nada. São produtos que têm selo de ecologicamente correto, produtos artesanais feitos em cooperativas e tudo mais. É o valor agregado.

04 - 500 riel back

Eu mesmo queria muito comprar uns objetos de ferro iguais ao do hotel onde fiquei hospedado, mas não achava nos mercados de jeito nenhum. Perguntei para o proprietário do estabelecimento onde podia achar aquelas peças e ele recomendou uma loja, adiantando que eu não esperasse pagar pouco. E me lembrou de negociar o preço. O meu poder de barganha na loja foi menor, mas eu consegui diminuir o preço um pouco.

05 - 1000 riel front

De qualquer forma, fica aqui a dica: seja em mercado ou em loja, só negocie se você realmente tiver interesse em levar o produto.

06 - 1000 riel back

E assim, do Camboja eu acabei trazendo um Buda de madeira, um caminho de mesa, uma colcha e uma tigela de ferro igual a do hotel. Ah, e uma luminária em forma de flor de lótus.

  • Camila Torres

    Quando estávamos deixando o país, pegamos todas as notas de Riel que sobraram e demos pro motorista do tuk tuk. Devia ser no máximo uns 3 reais, mas o cara ficou numa felicidade absurda ! Eles são realmente muito pobres 🙁