14
maio
América do Norte, Bater Perna, Comer, Experimentar

5 dias na irreverente Portland

Quem escreve o post de hoje é Bruno Valente, um carioca apaixonado por cidade grande e esportes radicais. Adora ser um guia de sua própria cidade, mostrando as joias escondidas de seu Rio de Janeiro. 

“O que te levou a Portland?

Essa é a pergunta que mais escuto dos meus amigos brasileiros quando comento sobre um dos meus destinos favoritos.Portland

A resposta é complicada. Não sei ao certo quando Portland entrou na minha lista, são tantos motivos que me levaram até lá que fica difícil saber quem sugeriu essa cidade.

O que me levou a Portland foram as suas cervejas artesanais, os pinot noirs do Willamette Valley, os badalados restaurantes, a deliciosa comida de rua vendida no food carts, a natureza do Columbia River Gorge, o clima de cidade europeia, o estilo descolado e, por fim, mas não menos importante, o fato de que não há imposto sobre compras no Estado de Oregon (isso é suficiente para levar qualquer brasileiro a qualquer lugar no mundo).Portland

Sim, este lugar tem tudo e ao vivo é ainda mais intenso que uma paixão.

Talvez o que me motivou a passar uns dias por lá tenha sido a série Portlandia, um dos meus programas de TV favoritos. A série estrelada pelos consagrados Fred Armisen e Carrie Brownstein retrata de forma bem humorada os habitantes desta comunidade chamada Portland e suas manias.Portland

Os portlanders são bem diferentes do americano comum (não é a toa que o lema da cidade é “Keep Porland Weird”), por exemplo, Portland é considerada a capital do ciclismo. Além disso, o povo local é excessivamente preocupado com a origem de seus alimentos, tudo por lá parece ter o selo de orgânico. É claro que a dupla estrelada por Fred e Carrie não poderia perder essa chance.

Em Portland é possível ir a qualquer canto de bicicleta, há ciclofaixas e ciclovias por todo lado.Portland

Andar de bicicleta por lá é super agradável não só pelo respeito ao ciclista, mas pelo fato de a cidade ser muito arborizada.

Portland

Portland

O transporte público é muito bom, os bondes cobrem boa parte da cidade e o bilhete custa apenas US$ 1,00.Portland

Os habitantes de Portland se preocupam muito com o verde. As lixeiras, por exemplo, são dotadas de compactadores que se utilizam de energia solar. Esta funcionalidade visa diminuir a frequência com que caminhões de lixo circulam, consequentemente, reduzindo a emissão de gás carbônico.

Portland também possui o chamado Menor Parque Público do Mundo, o Mill Ends Park. Trata-se de um singelo bonsai envolto por uma pista para corridas de caracóis e uma cerca. De acordo com o Wikipedia, o parque é um círculo de 61 cm de diâmetro e tem uma superficie de 0,292m². Um xodó local.Portland

Quando o assunto é comida, recomendo que explorem os food carts – é sempre bom pedir dicas a quem mora lá. Os quiosques estão por todo lado ocupando a lateral dos estacionamentos voltada para a rua.

Os estacionamentos parecem praças de alimentação ao ar livre, com uma variedade inusitada de pratos que vão de vietnamitas (Nong’s), burgers (Brunch Box), escandinavos (Viking Soul Food), dentre outras nacionalidades. A comida é boa e barata e a cozinha é limpa, senão a fiscalização pega!Portland

Em termos de restaurantes, não tenho muitas dicas não, mas isso não quer dizer que não haja muitas opções! Recomendo os tours da Forktown Food Tours , fiz o Alphabet District Tour e valeu muito cada centavo.Portland

Além de te levarem a ótimos lugares, dão várias dicas e como os tours são feitos com grupos pequenos, é fácil fazer amigos! Deste passeio dou destaque ao Kenny & Zukes, uma padaria kosher que prepara o melhor sanduíche de pastrami que já experimentei e o PBJs Food Cart, um food cart especializado em creme de amendoim e geleia (sim, é possível inovar nesta arte, inclusive com temperos tailandeses!).

Vale a pena! Quando voltar farei os outros passeios! (sim, eu voltarei.)Portland

O mais engraçado é que no penúltimo dia, descobri que havia um Kenny & Zukes ao lado do meu hotel – claro que virou parada obrigatória. Por falar em hotel, gostei do Ace Hotel, design interessante, boa localização e preço razoável para um hotel boutique. Além disso, é meio que um ícone de lá – o Fred e a Carrie já andaram satirizando o tal.

Recomendo um jantar no Clyde Common e um café (ou vários) no Stumptown Coffee Roasters, ambos com acesso pelo lobby do hotel.

Como o assunto ainda é comida, não deixe de ir ao icônico Voodoo Doughnut uma casa especializada em doughnuts com os sabores e formas mais criativos. A fila é grande, mas o sabor e o design dessas rosquinhas merecem o esforço.Portland

Detalhes da foto acima: doughnut com bacon (?!) e voodoo original – um doughnut que a gente pode brincar de ficar espetando, que sai geleia de morango do peito! Os outros são normais.

Alguns sabores não podem mais ser vendidos por determinação das autoridades locais, o NyQuill por levar em sua receita o remédio com este nome (para resfriados) e o Vanilla Pepto Crushed Turms por conter Pepto Bismol em sua composição.Portland

De cerveja – chegamos lá – este é o paraíso. Portland é considerada a capital das microcervejarias, há umas 70 espalhadas pela cidade produzindo os seus sabores.Portland

O que faz de Portland ser tão bem sucedida no mundo cervejeiro é a sua localização.

O porto fluvial da cidade é um importante ponto de partida para a exportação dos melhores fermentos produzidos na américa, o Oregon possui o solo e o clima ideais para a produção de lúpulo (compete com a Nova Zelândia o posto de maior produtor do insumo), as águas da região possuem características ideais em sua composição para o preparo da cerveja e o principal fator, os locais são verdadeiros entusiastas do assunto.Portland

Para conhecer o que há de melhor, recomendo os beer tours da Brewvana e o passeio de bicicleta da Pedal Bike Tours.

Uma dica é experimentar as diversas variedades, os garçons e atendentes de bar são muito atenciosos e conseguem traduzir o seu gosto em cerveja. Recomendo experimentarem as variedades Fresh Hop que são cervejas produzidas com lúpulo recém colhido e por isso são bastante amargas e perfeitas.Portland

Das cervejarias que mais gostei indico: Cascade Brewing Barrel House, Deschutes Brewery & Public House, The Commons Brewery – a melhor!Portland

A Commons é especializada em cervejas estilo Belgian Ale, envelhecidas em barris de carvalho e tudo. Não me recordo do nome dessa, mas tinha uma cerveja que deixava a dúvida, cerveja ou vinho chardonnay? Sinistro de bom!

E por falar em vinho…

Vou ficar devendo, não tive tempo de conhecer o Willamette Valley, região que abriga um dos melhores microclimas para a produção da uva pinot noir. Pude experimentar alguns rótulos locais muito bons na visita que fiz a Taste on 23rd com o pessoal da Forktown, mas não sou capaz de lhes dar mais dicas – por enquanto, o que posso dizer é que tudo o que experimentei, curti!Portland

Com relação a compras, se virem, vocês vão achar com facilidade as suas lojas preferidas na região central da cidade sem aquele típico imposto americano que muda o preço da etiqueta quando vamos pagar.

Aos que curtem uma boa loja de livros, dediquem um bom tempo na Powell’s Books, um quarteirão inteiro de livros e bugigangas legais que você encontra em livrarias.Portland

Para conhecer melhor Portland, recomendo o free walking tour do Erik – Secrets of Portlandia – ele te dará uma visão geral de forma bem descontraída percorrendo os principais pontos da cidade em duas horinhas.Portland

E por final (ou até onde eu sei), é imperdível o passeio de bicicleta oferecido pela  Pedal Bike Tours até o Parque Nacional Columbia Gorge. Este Parque Nacional é rico em cachoeiras, dentre elas a segunda mais alta da América do Norte, e visuais deslumbrantes que são descobertos ao longo da estradinha projetada nos primórdios do século XX inspirada no estilo europeu.Portland

Depois da orgia gastronômica, umas voltinhas de bicicleta caem muito bem.Portland

Alguns quilos depois, devo dizer que encontrei em Portland um lugar cativante, para onde tenho planos de voltar para poder degustar ainda mais dessa comunidade da qual farei parte na próxima encarnação.Portland

E vocês, conseguem entender porque me apaixonei por aqui?