21
mar
Bater Perna, Europa

Cinco passeios imperdíveis em Amsterdã

Estivemos algumas vezes em Amsterdã e desta última listamos alguns dos passeios imperdíveis pela cidade que não vive somente de Coffee Shops e do Bairro da Luz Vermelha. Confira aqui.

Primeiro: os museus de Amsterdã

03 Amsterda - Chet Baker e Sky Bar (1)

Rijksmuseum e Van Gogh são dois museus obrigatórios para quem quer ver algumas das obras dos artistas mais importantes da Holanda. Reserve um dia inteiro para cada um deles. O primeiro, com arte holandesa do século XVI e galerias de arte oriental, arte moderna e até mesmo alguns Van Gogh – como é o caso de um dos auto-retratos dele. Há uma impressionante coleção de Porcelana Delft, outro símbolo do país, e histórias incríveis da burguesia de séculos passados, como a coleção de casas em miniatura que chegavam a custar o mesmo preço de casas de verdade, em uma época que poucos tinham o privilégio de uma mesa farta. Em ambos recomendo o áudio por 5 euros adicionais.02 Amsterda - Rijks Museu, Van Gogh (31)

02 Amsterda - Rijks Museu, Van Gogh (33)

02 Amsterda - Rijks Museu, Van Gogh (30)O que mais me impressionou no Rijksmuseum foi esta imensa obra de Rembrandt, chamada “Ronda Noturna”. Não é à toa que todos os visitantes se aglomeram em volta dela por muito tempo. E “A Leiteira”, de Vermeer também está entre as minhas favoritas, pela riqueza dos detalhes de iluminação e movimento. Reparem que o leite parece realmente cair da jarra.

02 Amsterda - Rijks Museu, Van Gogh (35)

02 Amsterda - Rijks Museu, Van Gogh (37)

No Van Gogh, perdi os Girassóis, que estão temporariamente na National Gallery, em Londres, e o Stary Night, que está no MoMA de Nova York. Mas as demais obras, em maioria de Vincent, são imperdíveis. Destaco Campo de Trigo com Corvos, a última obra feita por ele.
02 Amsterda - Rijks Museu, Van Gogh (50)

Segundo: A Casa de Anne Frank03 Amsterda - Chet Baker e Sky Bar (57)

A visita é emocionante. Na casa transformada em museu, Anne Frank, seus pais e sua irmã se esconderam juntamente com outra família por 2 anos durante a Segunda Guerra, até que foram denunciados por alguém, presos e enviados para os campos de concentração. Durante o período em que permaneceu escondida graças à ajuda de amigos, Anne, uma garota de 14 anos que sonhava com o fim da guerra e com uma carreira de jornalista, registrou em um diário o dia a dia da sobrevivência, a escassez de comida e liberdade e as limitações humanas em que foram submetidos em prol de prolongação de seus dias no mundo. O pai de Anne Frank foi o único da família que sobreviveu ao holocausto, e quando voltou à casa, achou o diário que foi publicado em mais de 80 países.03 Amsterda - Chet Baker e Sky Bar (55)

Muitos dos móveis se encontram exatamente como foram deixados pelos nazistas que vasculharam o abrigo onde a família Frank se escondeu. O passeio custa 8 euros.03 Amsterda - Chet Baker e Sky Bar (58)

Terceiro: As 9 Ruas

04 Amsterda - bike na cidade e A bar (23)

04 Amsterda - bike na cidade e A bar (33)Este pedaço de ruazinhas simpáticas era uma região muito pobre no início do século passado, e a preferida por Anne Frank durante os poucos meses em que judeus podiam andar livremente em Amsterdã. Hoje as 9 Ruas, divididas por canais, são repletas de cafés, bistrôs e excelentes restaurantes. Aqui estão algumas das fotos dos lugares que achei muito legais neste pedaço de Amsterdã. Reserve o dia após a visita a Casa de Anne Frank para almoçar por aqui. Recomendo o Brix.04 Amsterda - bike na cidade e A bar (32)

04 Amsterda - bike na cidade e A bar (30)

04 Amsterda - bike na cidade e A bar (25)

Quarto: Um drink com vista para a cidade03 Amsterda - Chet Baker e Sky Bar (36)

Descobri este lugar por acaso, porque adoro bares e cafés no topo de prédios. Andando pela região da Estação Central um holandês recomendou que eu tirasse a foto mais clássica da cidade em uma rua próxima dali, achei o Hilton Hotel do outro lado da rua e resolvi conhecer o SkyLounge. Drinks a preços justos e uma vista linda de Amsterdã, bucólica e antiga. Fui no meio da tarde. O bar não cobra couvert nem entrada. Há outra opção de vista na Biblioteca, logo ao lado, mas só descobri depois e não tive tempo de visitar.03 Amsterda - Chet Baker e Sky Bar (40)

Quinto: Um passeio de bicicleta pelos bairros locais04 Amsterda - bike na cidade e A bar (21)

Nem preciso dizer que Amsterdã é a cidade das bicicletas. Pedalar por lá não é tão fácil assim, mas em 5 minutos de pedal a gente se acostuma com a regra de trânsito sobre duas rodas. Recomendo alugar uma bicicleta nos primeiros dias, já para conhecer a região e entender que longe do miolo do Bairro da Luz Vermelha há uma cidade bastante interessante e verdadeiramente holandesa. São vários cafés e mercados freqüentados pelos nativos. Destaco o bairro Jordaan, onde descobri um café bastante interessante 100% vegano, 100% orgânico e 100% sem glúten, do pão ao vinho!04 Amsterda - bike na cidade e A bar (16)

04 Amsterda - bike na cidade e A bar (18)A minha bicicleta aluguei na Green Budget Bikes, e o café gluten free que visitei foi o De Vegetarisch Slager.04 Amsterda - bike na cidade e A bar (20)