04
mar
Europa, Experimentar, Fotografar

Em busca da aurora boreal

Para os vikings, a aurora boreal era a ponte que ligava Asgard, a morada dos deuses, a Midgard, a Terra. Para os lapões, os nativos do Ártico, a aurora é o próprio deus. E cada cor de aurora representa uma entidade específica. Para mim, bem, é o fenômeno da natureza mais bonito e impressionante que eu já vi na vida. A partir do momento em que se avista a aurora, o coração começa a bater mais rápido e você logo se esquece de que a temperatura está abaixo de zero.

Ver a aurora boreal foi o que me motivou a viajar até o Norte da Noruega, mas o que me fez me apaixonar pelo lugar foi uma combinação de simpatia dos noruegueses com paisagens de tirar o fôlego. Impossível não querer voltar.

Três conexões depois, exausto por não ter conseguido dormir, eu cheguei a Tromsø. Sair do aeroporto é muito fácil. Por 70 coroas, você pode pegar um ônibus especial que para na frente do saguão principal. O bilhete pode ser comprado em uma máquina perto das esteiras de bagagem ou diretamente com o motorista. Em ambos, aceita-se cartão de crédito. É mais conveniente se você tem mala grande ou pesada, pois o ônibus tem bagageiro. Ou você pode cruzar o estacionamento e, por 40 coroas, pegar um ônibus de linha. Em 15 minutos você está no centro da cidade, onde eu recomendo que você se hospede, pois fica perto de tudo.

Ficamos seis dias ao todo em Tromsø e, em princípio, parecia uma eternidade para quem achava que a única atração do lugar era a aurora. Ledo engano. Logo bateu o arrependimento de não ficar mais. Caso você só esteja interessado na aurora, acho que seis dias são suficientes. Como é preciso contar com a sorte para ver o fenômeno, é bom reservar alguns dias para caso não consiga vê-lo no primeiro dia, para caso a atividade solar não esteja muito forte ou simplesmente porque você quer ver de novo. Lembrando que para ver a aurora, precisa-se de céu estrelado, máximo possível de escuridão e atividade solar forte. Já no primeiro dia, optamos por um passeio com a Arctic Guide Service. Em uma escala de 0 a 9, sendo 9 a maior probabilidade de ver a aurora, a atividade solar estava prevista em 3, de acordo com a nossa fonte: Universidade de Fairbanks. Compramos o passeio no hotel e nos dirigimos até o ponto de onde as excursões saem. Ao entregar o comprovante para o guia, a notícia: precisaríamos trocar o comprovante por um voucher no guichê da empresa. Isso não estava escrito em nenhum lugar e o guia foi bem incisivo ao nos lembrar que o ônibus sairia às 19:30 em ponto. O relógio marcava quase isso e fomos correndo até a sede da empresa para trocarmos o comprovante pelo voucher. Entramos no ônibus com poucos minutos para a saída prevista (mas o ônibus só foi sair meia hora depois – obrigado por nos fazer correr como loucos, seu guia!). O ônibus parou 40 minutos depois de sairmos da cidade, no primeiro lugar em que os guias avistaram a aurora, e lá ficamos durante todo o passeio, que durou 3 horas. Cadê a caçada à aurora? Para quem estava esperando uma busca frenética pela aurora mais bonita, confesso, esta foi bem decepcionante. Sem contar que o local era do lado de uma estrada, ou seja, perto das luzes que deveríamos evitar.

001 - Aurora

002 - Aurora

No penúltimo dia, optamos por um passeio em uma van, e foi a melhor coisa que fizemos. Em primeiro lugar, a van tem mais mobilidade e pode chegar aonde os ônibus não chegam. Outro ponto importante foi que os nossos guias pareciam estar bem mais interessados em caçar a aurora. Pouco depois de sair de Tromsø, avistamos a primeira aurora e paramos para tirar foto. A atividade solar também estava em 3, mas ao contrário da nossa primeira vez, parecia bem mais forte e estava bem mais perto de nós. Ficamos algum tempo lá até que a atividade diminuísse e depois, fomos para o sopé do Erdsfjord, mas a aurora estava tímida. Foi então que fomos em direção a uma montanha, mas a aurora continuou se escondendo de nós. Apesar disso, a primeira aurora que vimos naquele dia foi emocionante. Realmente, é um espetáculo da natureza belíssimo. Ah, contratamos o serviço da Northern Lights Hunter diretamente no Centro de Informação ao Turista.

003 - Aurora

004 - Aurora

005 - Aurora

006 - Aurora

007 - Aurora

Resumindo: prefira os passeios de van. E, se possível, vá o maior número de vezes que puder para aumentar as suas chances de ver o céu pintado de verde. Como os passeios começam por volta das 19:00, você tem o dia inteiro para conhecer a cidade e fazer outros tipos de passeio. O Centro de Informação ao Turista oferece vários tipos de atividades: andar no trenó puxado por cães ou renas, andar de snowmobile, acampar com os lapões, pescar no gelo, etc. Na cidade, há alguns museus e atrações que eu recomendo se você tiver tempo.

O Polaria é um aquário com peixes esquisitos, quatro focas e um cinema panorâmico que passa imagens sobre a aurora e sobre Svalbard, uma ilha mais ao Norte onde ursos polares vivem junto com os humanos. Fiquei mais impressionado com a arquitetura do que com o aquário. O prédio me fez lembrar estantes de biblioteca caindo, mas na verdade representa blocos de gelo sendo prensados uns contra os outros.

008 - Polaria

009 - Polaria

É o mesmo conceito da Arctic Cathedral.

015 - Arctic Cathedral

O Museu de Tromsø tem uma exposição sobre a aurora, sobre os vikings e sobre os lapões, mas, infelizmente, as duas últimas não têm explicação em inglês.

O Perspektive Museum estava com três exposições bastante interessantes: a história de Ivan Burkow, um marinheiro russo que estava na Noruega quando a Revolução de 17 estourou na Rússia e acabou não retornando para a sua pátria; The Russian Current, sobre o grande fluxo de russos no Norte da Noruega, e uma exposição de fotografias sobre as mulheres no Afeganistão. O melhor de tudo: o museu é de graça!

Não deixe de cruzar a ponte de Tromsø a pé para ver a Arctic Cathedral. A ponte te garantirá uma vista fantástica das montanhas abraçando a cidade. O show é garantido, qualquer que seja o horário em que você for.

010 - Ponte Tromso

011 - Ponte Tromso

012 - Ponte Tromso

013 - Ponte Tromso

Se você gosta de design, recomendo duas lojas: Bolia e Ting. Os preços, como em toda Noruega, não costumam ser muito baratos, mas pode ser que você encontre boas pechinchas. Procure pelos produtos Iittala, uma marca finlandesa muito famosa (Susete, obrigado pelos copos!).

Duas dicas legais: sabe aqueles pacotinhos que produzem calor que a gente usa quando tem contusão? Leve um para quando sair para caçar a aurora, assim você garantirá mãos quentinhas sempre que estiver sem luva. E se não está acostumado a andar no gelo, sugiro também um sola de sapato com grampos que você acopla ao seu tênis – assim você vai evitar levar um tombo bonito igual ao que eu levei ao atravessar a rua.

Cogitamos seriamente fazer uma viagem de navio, mas o tempo dentro do navio faria com que ficássemos pouco tempo em Tromsø, e nós queríamos aproveitar o que a cidade tinha para oferecer. Foi então que decidimos ir de avião mesmo. De Tromsø, partimos para a longínqua Kirkenes, no extremo Norte do país, fronteira com a Rússia. Nunca vou me esquecer das palavras da minha amiga Susete, que viajou comigo, quando o bimotor da Widerøe que nos levou até lá pousou em uma pista completamente branca e desértica: “Nossa, que legal, parece que não tem nada”. De fato, parece. Mas só parece. Com cerca de 3000 habitantes, Kirkenes realmente nos surpreendeu com a quantidade de recursos que oferece: um shopping, hotéis de bom nível, mercados bem abastecidos, muitas lojas… Já vi cidades no Brasil com mais habitantes e menos infraestrutura.

022 - Wideroe

024 - Pista do aeroporto em Kirkenes

025 - Kirkenes

Por conta da proximidade com a Rússia e por conta dos muitos imigrantes, várias placas de sinalização na cidade estão escritas em cirílico – o que tornou o lugar ainda mais inusitado para mim.

033 - Placa em russo

029 - Supermercado em Kirkenes

Talvez o momento mais tenso dessa parte da viagem foi quando entramos em uma loja de esportes. Eram 5:30, já estava escuro, e o dono nos avisou que a loja estava fechando. Ao pisarmos fora da loja, as luzes da cidade simplesmente apagaram e o que era escuro virou um breu completo. A única coisa em que eu pensei foi no filme 30 Dias de Noite. Não sei se foi o gerador que falhou por alguns segundos, mas com a energia restaurada em seguida, voltamos a explorar a cidade a pé.

027 - Escuridão

O hotel em que nos hospedamos era de frente para o Mar de Barents e eu ficava admirando os blocos de gelo boiando na água. O inverno, para mim, é fascinante e nunca me canso de ficar olhando a neve e o gelo.

026 - Kirkenes

Entre as várias atividades que se pode fazer em Kirkenes, há excursões de 2 dias para Murmansk, na Rússia. Eu teria feito essa viagem se tivesse mais tempo.

031 - Placa

028 - Igreja de Kirkenes

Eu aproveitei para experimentar a famosa carne de rena, mas confesso que não vi nada de mais. Achei muito parecido com carne de vaca. O resto da viagem era à base do típico calzone da loja de conveniência, acompanhado do refrigerante, que colocávamos para gelar na neve.

Foi uma viagem inesquecível, que eu recomendo para todo mundo que gosta de frio, aventura e turismo não convencional.

  • Yramaia Salviano

    Adorei!
    Que lugar maravilhoso!
    Ótimas dicas.

  • Muito bom o post!!
    Parabéns pela viagem e pela Aurora Boreal!!

  • Ana Silvia Mota

    Adorei a postagem!!!Bacana o blog hem!?. Cheguei aqui através o link no Viaje na Viagem.
    Parabéns!
    Ana Silvia

    • Thiago Magalhães

      Obrigado, Ana!
      Um abraço